Design sem nome (1)

Professores são orientados sobre cuidados com a voz

Os professores da rede municipal de ensino de Vitória estão aprendendo sobre os cuidados e preservação da voz. Por conta da profissão, que exige uso diário e contínuo da fala, vários impactos como problemas nas cordas vocais podem ocorrer, o que demanda cuidados e vigilância constantes.

Por isso, com o objetivo de auxiliar os professores nos cuidados necessários para manter uma voz saudável, a fonoaudióloga Bianca Martins vem se reunindo com professores de escolas da rede municipal de Vitória localizados no território atendido pela Unidade de Saúde do Forte São João. Os encontros com os professores fazem parte da sua Residência em Saúde na unidade do bairro por meio do Instituto Capixaba de Ensino, Pesquisa e Inovação em Saúde (ICEPI).

Bianca explica que a ideia surgiu da experiência nos consultórios onde recebe educadores que chegam se queixando de alteração vocal, impactando na rotina de trabalho. “Infelizmente, temos esse hábito de ir deixando passar, de achar que não é algo tão importante ou que vai melhorar… Mas então a situação se agrava, pode se tornar uma lesão e levar a afastamentos no trabalho”, explicou.

As orientações aos docentes têm acontecido no ambiente escolar, no horário de planejamento das aulas, em pequenos grupos. Nesses momentos, Bianca explica sobre a produção da voz, dá dicas de hábitos e cuidados necessários para manter a saúde vocal, além de ensinar alguns exercícios de aquecimento e desaquecimento da voz para os professores utilizarem antes de iniciarem suas aulas.

A receptividade dos professores tem sido positiva, uma vez que a voz dos docentes pode ser considerada uma das suas ferramentas de trabalho.

Dentre os educadores que participaram das atividades estava Sabrina Garcia, que dá aulas na Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Irmã Jacinta Soares de Souza Lima. Ela disse que já coloca em prática algumas das dicas, como manter a garrafinha d’água sempre por perto para se hidratar, porém destaca a importância desse momento. “Alguns profissionais não tem consciência da importância de que a voz também é um ferramenta de trabalho e a usam de forma irresponsável. Ter acesso a essa informação é muito necessário”, declarou.

Rosinete Lima,  que também dá aulas na Emef, contou que buscou um fonoaudiólogo tão logo começou a dar aulas. “Aprendi a modular meu tom para não precisar gritar e, com isso, eu preservo mais minha voz. Infelizmente já vi professores se afastarem por perderem a voz, então esses cuidados são muito importantes”, afirmou.

Cuidados

  • Não force a voz: evite gritar, pigarrear;
  • Hidrate-se: beber água regularmente ajuda a manter as cordas vocais úmidas e flexíveis;
  • Mantenha uma boa postura corporal: isso inclui manter o corpo alinhado, especialmente a cabeça e o pescoço, para permitir uma respiração adequada e uma projeção vocal saudável;
  • Evite irritantes vocais: fumar, beber álcool em excesso e consumir alimentos condimentados ou apimentados podem irritar as cordas vocais e prejudicar a qualidade vocal. Evitar esses irritantes é importante para manter a saúde vocal;
  • Descanse sua voz: assim como qualquer outro músculo, as cordas vocais precisam de descanso. É importante programar pausas durante atividades prolongadas de uso vocal e descansar a voz evitando deixá-la cansada ou sobrecarregada.

Residência

Com serviços bem estruturados e informatizados, a rede de saúde municipal de Vitória vem atraindo cada vez mais profissionais que buscam se especializar na área. Apenas no primeiro semestre deste ano, já passaram pelos equipamentos da Secretaria de Saúde de Vitória 106 profissionais residentes distribuídos em diversos programas de especializações, como Residência Multiprofissional em Saúde da Família, Residência Multiprofissional em Saúde Mental, Residência Multiprofissional em Cuidados Paliativos, Residência Multiprofissional em Saúde com Áreas de Concentração em Atenção à Saúde da Criança e do Adolescente, Residência Médica de Psiquiatria, de Pediatria, de Clínica Médica, de Medicina de Família e Comunidade e pelo Programa de Residência e Medicina de Família e Comunidade do município de Vitória.

(DA REDAÇÃO \\ Guth Gutemberg)

(INF.\FONTE: Giovana Rebuli Santos \\ Divulgação)

(FT.\CRÉD.: Internet \\ Divulgação)